Piauí é o 3º estado do Nordeste no consumo de álcool entre jovens

PIAUÍ - De acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde, realizada pelo IBGE, cerca de 22,8% dos jovens piauienses, com idade acima de 18 anos, ...

PIAUÍ - De acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde, realizada pelo IBGE, cerca de 22,8% dos jovens piauienses, com idade acima de 18 anos, consomem bebidas alcoólicas. Com estes dados, o Piauí é o terceiro estado do Nordeste onde existem mais jovens que ingerem álcool uma vez ou mais por semana, ficando atrás apenas de Sergipe (23,5%) e Bahia (27,5%). Logo após o Piauí, o ranking é preenchido por Pernambuco (22,1%), Rio Grande do Norte (121%), Alagoas (19,4%), Ceará (19,3%), Paraíba (15,8%).

No Brasil, a média de consumo de álcool por ano chega a 8,7 litros por pessoas acima de 15 anos (Foto: Elias Fontinele/O Dia)
No Brasil, a média de consumo de álcool por ano chega a 8,7 litros por pessoas acima de 15 anos (Foto: Elias Fontinele/O Dia)

O alcoolismo é uma doença que, quando diagnosticada, acompanha o dependente por muitos anos e, se livrar dessa doença, acaba sendo muito difícil. O aposentado Francisco está há oito anos sem ingerir bebida alcoólica. Questionado, ele afirma que não está livre do álcool, mas que apenas não bebe e que, no momento, não pretende voltar a beber nunca mais na vida. O aposentado de 56 anos conta que começou a beber com 13 anos e, desde então, só parou em 2008, na noite de Natal, aos 49 anos, quando foi diagnosticado com um início de cirrose - doença crônica que atinge o fígado, e estava com erisipela - doença infecciosa aguda caracterizada por uma inflamação na pele. Apesar de ter  passado por inúmeras internações em clínicas de desintoxicação, ele é categórico: “Eu parei de beber porque eu quis parar, por vontade própria”.

Durante todos esses anos em que o aposentado bebia diariamente, ele conta que não tinha coragem para trabalhar e que ele não via o mundo ao seu redor. Para sua esposa, a vida depois que seu  marido resolveu parar de beber, é outra, completamente diferente. “Quando ele deixou de ingerir bebidas alcoólicas, ele voltou a trabalhar, voltou a exercer o papel de pai. Tudo melhorou, a parte financeira, a parte da harmonia e da paz dentro de casa. Eu agradeço muito a Deus por isso”, afirma a esposa.

Por: Aldenora Cavalcante - Jornal O Dia

Veja também

PIAUÍ 7019842781673534253

Postar um comentário

Últimas Notícias

item