Mortes por arma de fogo no Piauí cresceram 123,4% em 10 anos

Em 10 anos, entre 2002 e 2012, a taxa de óbitos por arma de fogo no Piauí cresceu 123,4%, segundo o Mapa da Violência. No mesmo período, em...

Em 10 anos, entre 2002 e 2012, a taxa de óbitos por arma de fogo no Piauí cresceu 123,4%, segundo o Mapa da Violência. No mesmo período, em Teresina, a taxa cresceu 148%. Mesmo com este dado alarmante, o pesquisador em segurança pública, professor José Bispo de Miranda afirma que, se o Estatuto de Desarmamento não tivesse sido implantado, o número de mortes no Estado seria muito maior.

Foto: Canabrava News
“Se nós temos uma dificuldade ao acesso a armas, você tem uma dificuldade de dá algum efeito letal ao seu inimigo”, afirma.

O posicionamento do pesquisador é reafirmado pelo estudo que forneceu os dados, o Mapa da Violência publicado em 2015. Segundo o Mapa, o crescimento da violência seria mais acentuado caso o acesso às armas não tivesse sido restringido pelo Estatuto do Desarmamento. Entre 2004 e 2012, foram poupadas 160.036 vidas no Brasil, sendo 70% desse total de jovens.

No Piauí, somente em 2015, segundo dados fornecidos pela Secretaria de Segurança Pública, 370 pessoas foram mortas por arma de fogo, o que corresponde a 60,55% das vítimas de homicídio doloso no Estado. Em comparação a 2012, último ano registrado no mapa da violência, o aumento de óbitos no Estado aumentou apenas 17 pontos.

“Quanto mais armas na mão da população, mais violência nós teremos”

Para o pesquisador em segurança pública, José Bispo de Miranda, o acesso a armas tem um impacto direto nos números de homicídios e manter uma população desarmada é um ponto positivo. “Existe um efeito bastante positivo do Estatuto até hoje, especialmente na redução dos homicídios que é o principal crime que afeta diretamente a vida. Além de você trabalhar em uma cultura de uma população desarmada, que não busca, através de armas, vingança de algum delito e algum crime ou de algum conflito que todos nós estamos vulneráveis”, pontua.

Além disso, para José Bispo, tentar associar a violência existente na sociedade a uma população desprotegida pela falta de arma é um equívoco. “Ao contrário, quanto mais armas na mão da população, mais violência nós teremos”, argumenta o pesquisador, acrescentando que “é ilusório se imaginar que dando arma à população, ela vai saber se proteger com essa arma”.

Mesmo com todos os pré-requisitos exigidos pela Polícia Federal para obtenção do registro e do porte de arma, que inclui uma série de testes de capacidade técnica e psicológica, é possível que uma pessoa que consiga ter uma arma não esteja preparada para utilizá-la em sua autodefesa e proteção. “O cidadão não tem a capacidade de utilizar a arma e de se proteger com ela. Isso é um mito que nós temos e que não se concretiza”, pontua José Bispo.

Foto: Portal O Dia

Veja também

POLÍCIA 5693891503499356649

Postar um comentário

Últimas Notícias

item