Ibama investiga venda de pássaros silvestres pelas redes sociais

PIAUÍ - Pássaros estão sendo comercializados em Redes Sociais. Alguns desses animais estão em extinção. A prática parece comum em Teresin...


PIAUÍ - Pássaros estão sendo comercializados em Redes Sociais. Alguns desses animais estão em extinção. A prática parece comum em Teresina. Quatro pessoas que vendem esses animais foram identificadas.

(Imagem: Reprodução)
Na internet pode se vender e comprar de quase tudo, desde carros até casas, mas animais silvestres não pode. Em prints retirados de redes sociais foram encontradas pelos menos três pessoas diferentes oferecem pássaros como o bigode e o curió, que está ameaçado de extinção.

Eles negociam e deixam claro o números de telefone para contato. Em um dos comentários eles chegam a comercializar o risco que é a polícia ou o IBAMA descobrir essas publicações. E um deles justifica afirmando que está precisando de dinheiro.

A reportagem entrou em contato com os números que aparecem nas páginas para conversar com as pessoas que afirmam vender pássaros.

Em um dos trechos ele afirma que varia muito os tipos de pássaros e que é necessário a pessoa ver. Ele afirma ainda que tem filhotes a partir dos três meses. “Porque varia um pouco, tem uns de raça, tem o pé duro, entendeu? Eu já tenho uns filhotes, aqui, já tem três meses, já tão cantando curruchiando, esses, eu vendo a 80, na mão, entendeu?”.

As outras duas pessoas que divulgaram os números em anúncios dizem que já venderam os animais que tinham oferecido. “Só foi esse mesmo, eu não tenho não, eu nem gosto de bicho, é porque ele tava mudando, mudando a penagem, ai, eu fiquei com pena, ele é até do meu esposo. Meu esposo, viajando e peguei e vendi”.

O outro diz: “Não, não, eu não tenho, mais não, ele não eu só tenho belga, só tenho canário belga agora, agora”.

Todos os prints foram retirados de uma página na internet de vendas em Teresina. O Ibama disse que esse tipo de crime é comum, por causa da falsa sensação de impunidade que a internet proporciona.

O caso foi encaminhado para a Superintendência do IBAMA do Piauí e eles informaram que os casos serão investigados. “O primeiro passo é buscar o rastreio da autoria desse crime ambiental. Em cada estados nós temos os núcleos de inteligência e na administração central temos a coordenação de inteligência, então buscamos a identificação do registro também com a ajuda de outros parceiros, como a polícia. A punição principal é a multa que varia pelo tipo de animal e raridade, apreensão do animal e de material como gaiola e a comunicação de crime ao Ministério Público ”, explicou Adélquis Monteiro, superintendente subistituto do Ibama.

De acordo com o Ibama, todos os sete pássaros de uma das pessoas identifica foram apreendidos e encaminhados para o centro de triagem. Ele foi multado em R$ 3.500. Um outro identificado foi notificado para comparecer ao Ibama para esclarecer sobre a publicação. Os demais mencionados na reportagem também serão notificados.

Fonte: G1

Veja também

PIAUÍ 6828610599467339545

Postar um comentário

Últimas Notícias

item