Em 2019 a prefeitura de São João da Canabrava, por meio da Secretaria de Educação do município, efetuou a nucleação das escolas da zona rural, as quais possuíam um número reduzido de alunos, acabando assim com as classes multisseriadas, que são uma forma de organização de ensino, na qual o professor trabalha simultaneamente, na mesma sala de aula, com as várias séries do Ensino Fundamental, tendo de atender alunos com idades e níveis de conhecimento diferentes.


A medida gerou polêmica e muitas críticas. Para esclarecer como funciona esse novo modelo de ensino, o CN1 entrevistou a secretária municipal de educação, Elisângela Santos.
Segundo a gestora, a iniciativa tem como objetivo melhorar a qualidade no ensino no município, elevar os índices educacionais e alcançar as metas previstas no Plano Municipal de Educação – PME. 

“A nucleação, além de ser umas das ações previstas no plano de governo da Prefeita do município, a professora Mércia Abreu, é também uma das metas do Plano Municipal de Educação e uma diretriz do Conselho Estadual da Educação, órgão ao qual o município de São João da Canabrava é subordinado, visto que não possui sistema de ensino próprio”, esclareceu.

Ainda acordo com Elizângela, foram adotadas todas as medidas necessárias para a atender os anseios previstos para essa ação e ofertar uma educação de melhor qualidade aos seus educandos.   

“Dentre essas medidas, a maior delas foi a construção, com recursos próprios, de mais 4 salas de aula, na Unidade Escolar Joaquim Romão da Silva, no povoado Serra do Maracujá, a fim de que a escola tivesse estrutura adequada para receber os alunos oriundos de 5 escolas adjacentes, criando assim um núcleo educacional, que oferece a Educação Infantil e os anos iniciais do Ensino Fundamental”, frisou.


Entre as dificuldades enfrentadas para implantar a nucleação, Elisângela revela que a principal delas foi explicar para alguns moradores das localidades onde as escolas foram fechadas que a medida tem como objetivo melhorar a educação.

“Embora o prédio sendo patrimônio da comunidade, vale esclarecer que a escola é muito mais que o prédio e a sua estrutura física. A grande dimensão social da escola é o pleno desenvolvimento de seus educandos e esse é o principal objetivo dessa nucleação. A estrutura física, sendo patrimônio da comunidade, é responsabilidade de todos, e cabe, tanto à administração pública quanto aos moradores, zelarem para que seja conservada”, acrescentou.

A medida conta com o apoio da prefeita Mércia Abreu, que juntamente com a secretária de educação, defende a nucleação e acredita que esse foi um passo importante para o sistema de ensino da rede municipal.  

“A gestão tem convicção de que a nucleação das escolas irá corrigir as deficiências que ainda existiam no processo ensino-aprendizagem de seu município e, sobretudo, pelos frutos que colherão, em poucos anos,  na melhoria da qualidade no ensino de suas crianças”, concluiu.


 


Comente




Postagem Anterior Próxima Postagem